.

Filme Homenageado Atual:
The Hobbit: An Unexpected Journey
(2012)

domingo, 14 de outubro de 2012


Pequeno Dicionário do Cinema
Gênero dos Filmes
(Maralvim)

Índice
Parte 2
Gêneros de Filmes, Ação, Animação, Aventura, Comédia, Documentário, Drama, Ficção Científica, Musical, Romance, Terror, Western ou Faroeste.
Subgeneros de Filmes: Biografia, Estrada ou Road Movie, Guerra, Histórico, Live Action, Policial, Suspense, Trash,

Introdução
Saiba que vai ter um monte de jeitos de classificar e organizar as nossas paixões pelo olhar que podemos ter de nosso mundo, então deste Lumiére, vamos inventando como fazer isso nessa arte. Foi criado vários termos de enquadramento, muitos se cruzam, mas aqui vamos apenas conhecer alguns, isso basta!!!!!

Gênero de Filme


Gênero é sempre um termo vago, sem fronteiras fixas, refere-se ao método baseado em classificar os filmes semelhantes, baseados nas suas principais características no qual o filme é composto. A maioria das teorias de gênero de filme são emprestadas dos gêneros literários. Além da distinção básica em gênero entre ficção que faz abordagens imaginárias e documentário que faz abordagem de fatos reais, gêneros cinematográficos podem ser classificados de diversas maneiras. 
Gêneros cinematográficos, muitas vezes adquirem mais de uma denominação, se ramificam em subgêneros ou podem ser combinados podendo até formar um novo tipo de gênero. Alguns filmes se cruzam no mesmo gênero.
Existem outros métodos de divisão de filmes em grupos, além de gênero. Alguns grupos podem ser casualmente descrito como gêneros embora a definição é questionável. Por exemplo, enquanto filmes independentes por vezes são discutidos como se fossem um gênero, mas as produções independentes podem pertencer a qualquer gênero. Da mesma forma, os filmes da arte são referidos como um gênero, embora geralmente um filme de arte se encaixa como um tipo de gênero mais específico.

Gêneros

Ação, Animação, Aventura, Documentário, Drama, Ficção científica, Musical, Romance, Terror e Western ou Faroeste, vejam os conceitos mais usados:

Filme de Ação


É um gênero de filme que geralmente envolve uma história de protagonistas do bem contra antagonistas do mal, que resolvem suas disputas com o uso de força física. Uma história semelhante a Aventura, mas o protagonista geralmente toma um rumo perigoso, o que leva a situações desesperadas (incluindo explosões, cenas de luta, fugas ousadas, etc.) Ação e aventura são geralmente classificados juntos ("ação-aventura"), porque eles têm muito em comum, e muitas histórias caem em ambos os gêneros ao mesmo. Os filmes de ação são comuns de se misturarem com os gêneros policiais e crimes, westerns e guerra, entre outros.
Geralmente são superproduções, com high concept (alta tecnologia), que recorrem frequentemente ao uso de efeitos especiais. A maioria dos filmes de ficção científica e aventura também são filmes de ação.



Ex: “Os Setes Samurais”, 1954 de Akira Kurosawa, “Apocalypse Now”, 1979 de Francis Ford Coppola, “Guerra nas Estrelas”, 1977 de George Lucas, “No Tempo das Diligências”, 1939 John Ford, “Superman – O Filme”, 1978 de Richard Donner.
Filme de Animação


Um gênero em que as imagens do filme são criadas principalmente por computador ou a mão e os personagens são dublados por atores. Refere-se ao processo segundo o qual cada fotograma de um filme é produzido individualmente, que vai sendo repetida e fazendo-se movimentos com pequenas mudanças do seu modelo. O desenvolvimento da animação digital aumentou muito a velocidade do processo, eliminando tarefas mecânicas e repetitivas.
A produção da animação consome muito tempo e é quase sempre muito complexa. Animação limitada é uma forma de aumentar a produção e geração. Esse método foi usado de forma pioneira pela UPA e popularizada.


Ex: “Pinoquio”, 1940 de Walt Disney, “Bambi”,1942 de Walt Disney, “O Rei Leão”, 1994 de Roger Allers, Rob Minkoff, “Zé Colméia”, 2010 de Eric Brevig, “Sherek” 2001 de Andrew Adamson, Vicky Jenson, Alvin e os Esquilos, 2007 de Tim Hill.

Filme de Aventura



É um gênero cinematográfico que reflete um mundo heroico de combates e aventuras. Uma história sobre um protagonista que viaja para lugares épicos ou distante para realizar algo. Foi inventado na Itália, como meio de exaltação de seu passado histórico e, posteriormente, foi usado pela Rússia, para exaltar a Revolução Russa.
É caracterizado por cenas de muita ação, como lutas e perseguições, sempre filmadas em planos curtos; personagens estereotipados: um herói forte e valente contra um vilão. Premissa: o bem sempre prevalece sobre o mal. Frequentemente a ação acontece no passado ou num mundo de fantasia. É dada maior importância à ambientação, ao vestuário e aos efeitos especiais que ao roteiro.
Pode ser de tipos Road movies, Filmes de Faroeste, Filmes de ficção científica, Filmes de capa e espada, Filme Épico.


Ex: “Horizonte Perdido”, 1937 de Frank Capra, “Senhor dos Anéis”, “Os Três Mosqueteiros”, 1948 de George Sidney, “Indiana Jones”, 1981 de Steven Spielberg, 2001 de Peter Jackson, “As Crônicas de Narnia”, 2005 de Andrew Adamson.
Filme Comédia


É um filme com humor ou que pretende provocar o riso da audiência. Uma história que fala sobre uma série de acontecimentos engraçados ou cômico, a intenção de fazer o público rir. É um gênero é muito aberto, e, portanto, cruza com muitos outros gêneros em uma base frequente. O filme cômico, que se caracteriza pela inclusão de gags, pilhérias ou brincadeiras, tanto visuais como verbais, começou sua existência praticamente no início desta arte. L'arroseur arrosé (O Regador Regado), de 1896, filme francês dos irmãos Lumière, é considerada a primeira comédia da história do cinema. Desde o começo, criaram-se filmes em que se mostravam imagens que alegravam ou faziam rir o espectador, ainda que fosse sem o acompanhamento do som.

Ex: “Mash”, 1970 de Robert Altman, “Um Convidado Bem Trapalhão”, 1968 de Blake Edwards, “Ensina-me a Viver”, 1971 de Hal Ashby, “Muito Além do Jardim”, 1979 de Hal Ashby, “Sim, Senhor”, 2008 de Peyton Reed, “Piratas do Caribe”, 2003 de Gore Verbinski.
Filme Documentário


O cinema nasceu documental, esse é um gênero cinematográfico que se caracteriza pelo compromisso com a exploração da realidade. É uma representação parcial e subjetiva da realidade, está mais próximo da verdade e da realidade. Normalmente, trata-se de verdadeiros eventos históricos.


Ex: “Fahrenheit 9/11”, 2004 de Michael Moore (é o exame do cineasta Michael Moore, com seu humor característico e obstinado compromisso de revelar os fatos polêmicos e provocativos das ações da administração Bush na sequência dos trágicos acontecimentos de 9/11), “March of the Penguins”, 2005 de Luc Jacquet (a marchar bamboleante dos pinguins imperador para se envolver em seu ritual de acasalamento, ​​saem de seu habitat e fazem uma viagem longa, árdua sobre o gelo da Antártida), “Woodstock - 3 Dias de Paz, Amor e Música”, 1970 de Michael Wadleigh (Prometeu três dias de paz e música, tornou-se um símbolo poderoso da geração, mostrando definitivamente que a música transforma, traz a celebração da liberdade, fraternidade e as aspirações de amor e vida.
, “George Harrison: Living in the Material World” 2011 de Martin Scorsese (diziam que era artista secundário, no entanto, é mostrado a sua importante contribuição aos Beatles e também sua exploração mística), “The Cove”, 2009 de Louie Psihoyos, (registrar o massacre de golfinhos que acontece anualmente no parque nacional da pequena cidade de  Taiji no Japão), “Grizzly Man”, 2005 de Werner Herzog retrato de Timothy (Treadwell, que foi para o Alasca viver com os ursos e acabou sendo morto por um deles. Conta com filmagens da câmera de Treadwell).

Filme Drama


Qualquer obra no âmbito de filmagens em que haja conflito ou atrito, podendo ter significado um filme de caráter "sério" ou mesmo de tragédia que apresenta um desenvolvimento de fatos e circunstâncias compatíveis com os da vida real. Podemos definir como um conjunto de acontecimentos complicados, difíceis ou tumultuosos, assim como um acontecimento que causa dano, sofrimento, dor.


Ex: “O Poderoso Chefão”, 1972 de Francis Ford Coppola, “O Poderoso Chefão: Parte II”, 1974 de Francis Ford Coppola, “Um Sonho de Liberdade”, 1994 de Frank Darabont, “O Grande Ditador”, 1940 de Charles Chaplin, “12 Homens e uma Sentença”,1957 de Sidney Lumet, “Pollock”, 2000 de Ed Harris.

Filme de Ficção Científica


Desde que o cinema começou, se encontra a ficção científica em filmes. Autores de livros que causaram a curiosidade e a imaginação do mundo sobre temas dessa natureza, como H. G. Wells ou Júlio Verne. Em inglês o termo ficção científica é as vezes abreviado para sci-fi ou SF. Em português, é abreviado para FC. Outros são histórias feitas para o cinema, como o clássico , embora nesse caso haja uma classificação alternativa como genêro do Cinema Fantástico, já que a história contada não é inspirada propriamente em especulação científica. Um tema bastante explorado na ficção científica é a da vida inteligente em Marte. Nos tempos atuais os filmes do género estão entre os que alcançam maior índice de bilheteira, confirmando a fascinação das pessoas sobre o que está por vir, ou ainda sobre o que é pura fantasia. O conhecimento científico avançado mostra uma fronteira cada vez mais larga sobre o que podemos construir em matéria de ficção científica. Uma das características únicas do género é a sua forte comunidade de fãs, da qual muitos autores também fazem parte. Existem grupos locais de fãs um pouco por todo o mundo que fala inglês, e também no Japão, Europa e noutros locais. 



Ex: “Viagem ao Centro da Terra”, 1959 de Henry Levin, “King Kong”, 1933 de Merian C. Cooper, Ernest B. Schoedsack, “Vinte Mil Léguas Submarinas”, 1954 de Richard Fleischer, “O Homem Invisível”, 1933 de James Whale , E.T., 1982 de Steven Spielberg, “De volta para o Futuro”, 1985 de Robert Zemeckis.

Filme Musical



É um gênero de filme, no qual a narrativa se apoia sobre uma sequência de músicas coreografadas, utilizando música, canções e coreografia como forma de narrativa, predominante ou exclusivamente. Elvis Presley pode ser considerado um dos maiores nomes nesse gênero tão tradicional.



Ex: “Love Me Tender”, 1956 de Robert D. Webb, “Cantando na Chuva”, 1956 de Stanley Donen, Gene Kelly, “Mamma Mia”, 2008 de Phyllida Lloyd, “Hair”, 1979 de Milos Forman, “Across The Universe”, 2007 de Julie Taymor.

Filme Romance


Os filmes do gênero romance podem ser definidos como aqueles cujo enredo se desenvolve em torno do envolvimento amoroso entre os protagonistas.



Ex: “Ghost – Do Outro Lado da Vida”, 1999 de Jerry Zucker, “Apenas Uma Vez”, 2006 de John Carney, “Cartas para Julieta”, 2009 de Gary Winick, “Dr. Jivago”, 1965 de David Lean, “Felicidade Não Se Compra”, 1946 de Frank Capra, “Casablanca”, 1946 de Michael Curtiz.

Filme Terror (Horror)


Uma história que é contada para assustar deliberadamente o público, por meio de violência, suspense ou figuras irreais sobrenaturais. Filmes ligados à literatura fantástica capazes de provocar medo. Tais histórias fantásticas forneceram ao cinema o contexto para a produção de filmes de horror. Esses filmes proporcionam a impressão da realidade e constroem inúmeros artifícios para criar a sensação de medo.
As técnicas de filmagens fazem aumentar a dose da possibilidade de provocar o medo, como o prolongamento do tempo da ação que é muito usado para produzir o suspense, a fotografia também é usada para criar um ambiente sinistro, os ângulos de filmagens podem transformar a câmera em uma personagem. E finalmente, a música acentuada e gradativa emana a sensação de suspense. Além dessas técnicas a maquiagem, as fantasias, personagens irreais aterrorizantes e efeitos especiais também auxiliam no susto.



Ex: “Frankenstein”, 1931 de James Whale, “O Médico e o Monstro”, 1920 de Rouben Mamoulian, O Corcunda de Notre-Dame”, 1923 de Wallace Worsley, “Drácula de Bram Stoker”, 1992 de Francis Ford Coppola (maior número de adaptações),  “Psicose”, 1960 de Alfred Hitchcock.

Filme Western ou Faroeste


O chamado cinema western, também popularizado sob os termos "filmes de cowboys" ou "filmes de faroeste", compõe um género clássico do cinema norte-americano (ainda que outros países tenham produzido westerns, como aconteceu em Itália, com os seus western spaghetti). O termo inglês western significa "ocidental" e refere-se à fronteira do Oeste norte-americano durante a colonização. Esta região era também chamada de far west - e é daqui que provém o termo usado no Brasil e Portugal, faroeste, também se usou Bang-Bang. Western Spaghetti ou Bang-bang a Italiana, foi como foram chamados os faroestes produzidos na Itália entre 1963 e 1977, com objetivo de faturar com o estilo que só era feito nos Estados Unidos, então foram produzidos neste período mais de 600 filmes.
Ainda que os westerns tenham sido um dos géneros cinematográficos mais populares da história do cinema e ainda tenha muitos fãs, a produção de filmes deste género é muito pouca.
Diferenças entre o faroeste americano e o faroeste italiano (Spaghetti).
O faroeste americano havia a exaltação romântica e eram limpinhos e barbeados, verdadeiros exemplos de virtude como os cowboys interpretados por John Wayne, Randolph Scott, Audie Murphy, Joel McCrea, entre outros, só matam em útimo caso. Em contrapartida os faroestes italianos eram filme de ação e eram anti-heróis eram interpretados por Clint Eastwood (artista americano despontou na europa com esses filmes), Franco Nero, Giuliano Gemma, Anthony Stefen, Klaus Kinski, Terence Hill, Bud Spencer, todos sem noção de moral e escrúpulos, cujo o único objetivo era o dinheiro e matavam a todo momento, sem precisar de alguma razão.
Dentre todos destaco “Trinity” – Terence Hill que na companhia de Bud Spenser atraiam publico e gargalhadas para o cinema, com típico hippie vagabundo, vestindo roupas rasgadas e coberto de poeira do deserto dos pé à cabeça. A trilha sonora alegre e envolvente também ajudou a fazer Spaghetti Westerns um gênero muito popular de filmes. Um genial compositor do cinema ganhou destaque a partir desses filmes é Ennio Morricone. 



Ex: “Por Um Punhado de Dólares”, - Spagheth, 1964, Sergio Leone, “Eles Me Chamam de Trinity” 1970 de Enzo Barboni, “Butch Cassidy and the Sundance Kid”, 1969 George Roy Hill, “Os Imperdoáveis, no Brasil”, 1992 de Clint Eastwood, “Pequeno Grande Homem”,1970 de Arthur Penn, “Sete Homens e Um Destino”  1960  de John Sturges, “O Homem que Matou o Facínora”, 1960 de John Ford.

Subgeneros 


Filme de Estrada ou Road Movie


É um gênero de filme em que a história se desenrola durante uma viagem. Pôr o pé na estrada é um dos mais poderosos símbolos da liberdade para o homem moderno. Não por acaso o cinema tem usado a estrada como o cenário ideal de aventuras de gente rebelde, deslocada, insatisfeita ou em fuga de uma vida maçante ou atormentada. Esse tipo de filme acabou constituindo uma categoria especial e bastante admirada entre os gêneros cinematográficos. Partir sem destino ou rumo ao desconhecido por rodovias que atravessam lugares insólitos é uma aventura que rende ótimos cenários naturais e normalmente leva os protagonistas a algum tipo de redenção.



Ex: “Deu A Louca No Mundo”, 1963 de Stanley Kramer, “Sem Destino”, 1969 de Dennis Hopper, “Thelma e Louise”, 1991 de Ridley Scott, “Crossroads: Amigas para Sempre”, 1992 de Tamra Davis, “Diários de Motocicleta”, 2004 de Walter Salles, “História Real”, 1999 de David Lynch.

Filme de Guerra



São um gênero de filme preocupado com a guerra, geralmente sobre naval , ar ou terra batalhas, por vezes, concentrando-se em prisioneiros de guerra, operações secretas, treinamento militar ou de outros temas relacionados. Em filmes de tempo de guerra se concentrar na vida militar ou civil diária em tempo de guerra sem retratando batalhas. Suas histórias podem ser de ficção, baseado na história, documentários, dramas ou biográficas.



Ex: “Nascido para Matar”, 1965 de Stanley Kubrick, “A Lista de Schindler”, 1993 de Steven Speilberg, “A Vida é Bela”, 1997 de Roberto Benigni, “Platoon”, 1986 de Oliver Stone, “Coração Valente”, 1995 de Mel Gibson.

Filme Histórico


Por sua própria característica não pode ser analisado dentro de uma única tradição, ou gênero cinematográfico pois estabelece uma série de diálogos que não podem ser ignorados. Diálogos tanto com outros filmes, com outras artes, pintura, teatro, literatura, e com a historiografia de diversas épocas. Assim, carrega também diversas temporalidades: tanto está impregnado pelo presente, como também pode ter referencias a diversos passados.



Ex: “1492-A Conquista do Paraíso”, 1992 de Ridley Scott, “Amistad”, 1997 de Steven Spielberg, “Carlota Joaquina, Princesa do Brasil”, 1995 de Carla Camurati, “A Guerra do Fogo” de 1981 de Jean-Jacques Annaud, “Rei dos Reis”, 1961 de Nicholas Ray, “Amélia”, 2009 de Mara Nair, “1900”, 1976 de Bernardo Bertolucci.

Filme Live-action 



È um filme que apresenta uma combinação de atores reais (live-action) e elementos criados por meio de animação, interagindo normalmente.




Ex: “Who Framed Roger Rabbit”, 1988 de Robert Zemeckis, “Akira”, 1988 de Katsuhiro Ohtomo, “Mary Poppins”, 1964 de Robert Stevenson, “Fantasia”, 1940 de Walt Disney, “Tron: O Legado”, 2010 de Joseph Kosinski.

Filme Policial


No género policial, os argumentos quase sempre envolvem crimes e criminosos, policiais e detectives particulares, gângsters e ladrões. Nos anos 40, eram conhecidos como “Filmes Noir” (filmes escuros). Orson Welles gostava do gênero. Nos anos 60 e 70, os filmes passaram a se tornar mais violentos. A partir dos anos 70 os filmes passaram a abordar atividades da máfia, principalmente depois do sucesso do diretor Coppola. Nos anos 90 os filmes exploraram as investigações sobre crimes seriais (serial killers). Quentin Tarantino, aumentou ainda mais a violência. Nos últimos tempos, o tema preferido do gênero tem sido o submundo, envolvido em drogas. Além, é claro, da corrupção policial.


Ex:“A Dama de Xangai”, 1947 de Orson Welles, “Operação França”, 1971 de William Friedkin, “Scarface”, 1983 de Brian de Palma, “Inimigo Público”, 1998 de Tony Scott, “Chinatown”, 1974 de Roman Polansky, “Kalifornia”, 1993 de Dominic Sena, “Pulp Fiction”, 1994 de Quentin Tarantino,  “Tropa de Elite”, 2007 de Jose Padilha.

Filme Religioso


A religião e o cinema ou "espiritualidade e o cinema", são para ajudar as pessoas a conhecer e até experimentarem os melhores pontos de diferentes tradições religiosas. A Religião em si é controversa, mas quando as pessoas mexem com as crenças de grupos religiosos para fins de entretenimento, as coisas definitivamente aquecem. Alguns filmes causam tumultos, e em alguns casos têm resultado em mortes. Considero um assunto delicado onde o principal deve ser respeitar as boas crenças e devemos escolher assistir os filmes que te fazem bem, pois como na vida, precisamos de despertar e nos motivar para as coisas boas.


Ex: “Os Dez Mandamentos”, 1956 de Cecil B. DeMille, “Rei dos Reis”, 1961 de Nicholas Ray, “Irmão Sol, Irmã Lua”, 1972 de Franco Zeffirelli, “Kundun”, 1997 de Martin Scorsese, “Nosso Lar”, 2010 de Wagner de Assis, “Asoka”, 2001 de Santosh Sivan, “Maomé, O Mensageiro de Alah”, 1977 de Moustapha Akkad.

Filme de Suspense


Suspense é a tensão que antecede a uma determinada situação. É um filme dramático que traz um sentimento de ansiedade provocando apreensão, temor e eventualmente sustos. Essa emoção surge com a combinação da incerteza e medo do futuro. Quando se tem a expectativa de algo ruim possa acontecer, uma perspectiva construída através de eventos sucessivos, aos quais não se têm o poder de interferir de forma a prevenir os acontecimentos. É um filme de mistérios, suspeitos e segredos. Tem gente que afirma ser a mesma coisa que filme de “Terror”, só que menos assustador.


Ex: “Um Corpo Que Cai”, 1958 de Alfredo Hitchcock, “Blow Up, Depois Daquele Beijo”, 1966 de Michelangelo Antonioni, “Z”, 1969 de Costa Gravas, “Pic Nic na Montanha Misteriosa”, 1975 de Peter Weir, “Encurralado”, 1971 de Steven Speilberg, “O Nome da Rosa”, 1986 de Jean Jacques Annaud, “Dogville”, 2003 de Lars Von Trier.

Filme Trash



Muitos acham que esse tipo de filme é um verdadeiro lixo, ruim demais, como apenas sugere a tradução literal da palavra. Mas trash é aquele filme que é tão ruim que é considerado bom, em geral trata-se de um filme mal feito (propositalmente ou não) mas que é considerado bom, se utiliza de materiais e recursos de baixo custo. Digamos que é algo que pode se chamar de feio, cafona, mal-feito ou improvisado... mas tem seu charme, e uma legião de seguidores. Muitas vezes são associados a filmes de terror, isso porque  muitas vezes envolvem gritos ou alguma criatura bizarra, mas um filme (ou vídeo) trash é uma estética que pode ser usada em qualquer gênero.
As vezes são chamados de filmes de produções amadoras, usando-se de produções domésticas, ou pode ser associar a uma herança do cinema B norte americano, muito popular até a metade do século 20, e que tem Ed Wood como seu maior representante.


“Rock Horror Show” de 1975 de Jim Sharman: um bando de alienígenas do planeta transexual resolvem baixar na Terra para uma convenção onde o líder pretende criar seu próprio amante a la Frankenstein. 


Ex: “O Vingador Tóxico” 1984, de Michael Herz, Lloyd Kaufman; “Plano 9 do Espaço Sideral”, 1959 de Ed Wood, “Trash - Náusea Total”, 1959 de Peter Jackson; “Palhaços Assassinos Do Espaço Sideral” 1988 de Stephen Chiodo; “O Monstro do Armário”, 1986 de Bob Dahlin; Piranha 2,  2010 de Alexandre Aja. 

obs: Todo esse texto esta para ser mudado, mande sua contribuição e vamos esscrever juntos, ok!

















5 comentários:

  1. Ótimo Marcelo! Mais uma vez você fez um excelente post!!

    (Liz)

    ResponderExcluir
  2. wow! adivinha o meu preferido!?! nao e dificil, ne? ficou otimo ,parabens!! bju. carla.

    ResponderExcluir

Já passaram por aqui